FREE SHIPPING on all orders! - until 29th June

Porque é que as marcas de moda estão a criar passaportes digitais para as suas peças de vestuário?

digital passports for products

Até 2050, a União Europeia planeia alcançar zero emissões de carbono, ou seja, ser neutra para o clima. Para este fim, a CE lançou um novo pacote de regulamentos como parte do Pacto Verde Europeu, uma proposta que visa tornar quase todos os bens físicos circulares e eficientes em termos energéticos até 2030.

O objectivo deste regulamento é, portanto, contribuir para a luta contra as alterações climáticas através da implementação de uma economia circular, para dissociar a relação existente entre o crescimento económico e a produção de resíduos. No âmbito da sua Estratégia para os Têxteis Circulares e Sustentáveis, também enfatiza a importância de regular a indústria têxtil, que foi classificada como a quarta indústria com maior impacto ambiental, e visa assegurar que os produtos têxteis comercializados nos mercados europeus sejam duráveis, recicláveis, isentos de substâncias perigosas e produzidos de forma sustentável.

As medidas desta estratégia incluem, entre outras, a implementação de um passaporte de produto digital para todos os bens físicos a partir de 2023. Neste post, explicamos tudo o que precisa de saber sobre estes passaportes.

O que são passaportes digitais?

Os passaportes digitais, que planeiam ser introduzidos no próximo ano, serão uma recolha de informação sobre o processo de fabrico de cada produto para que os utilizadores ao longo da cadeia de fornecimento possam reutilizá-los ou reciclá-los adequadamente, e serão úteis para saber se um material impede a reciclagem ou é altamente poluente.

No mundo da moda, se uma peça de vestuário tiver um passaporte digital, terá um código QR ou uma etiqueta NFC, RFID ou Bluetooth contendo informação detalhada sobre o produto. A inclusão destes passaportes no vestuário e outros artigos trará mais transparência à indústria da moda ao incluir informação sobre a composição da matéria-prima do vestuário, o processo de fabrico e mesmo o método de transporte.

A quem se destinam?

Embora a UE queira tornar o passaporte digital uma norma para todos os produtos comercializados na Europa, por enquanto, o foco está nos sectores têxtil, da construção e automóvel.

Que informações terão de conter os passaportes digitais?

Os consumidores terão informação clara, fiável e facilmente acessível sobre os produtos que consomem, como mantê-los e qual a melhor forma de os reciclar. No entanto, é necessário muito trabalho para identificar exactamente que informação os utilizadores necessitam ao longo da cadeia de fornecimento. Como resultado, a Comissão Europeia irá rever o esquema produto por produto, o processo será regulado em actos separados e exigirá que toda a cadeia de abastecimento se sente e discuta as informações-chave a serem incluídas no passaporte.

Complicações da implementação de passaportes digitais e propriedade intelectual

No entanto, os fabricantes e todos os profissionais envolvidos enfrentarão grandes desafios para criar, partilhar e distribuir os dados necessários de uma forma simples e rentável. A iniciativa legislativa europeia é necessária e cumpre os critérios de sustentabilidade e transformação digital, mas será realmente um grande desafio para as empresas.

Além disso, as preocupações centram-se na propriedade intelectual e na privacidade. O conceito de expor toda a informação sobre o produto parece contraditório com a protecção da propriedade intelectual, mas é aqui que entra a questão da encriptação para proteger esta informação. No entanto, haverá casos em que as empresas não querem partilhar certos dados, mesmo que sejam encriptados, porque estão ligados a informações confidenciais, pelo que ser transparente na justificação de reivindicações ecológicas pode ser difícil.

Nestes casos, os ZKPs, ou protocolos de zero-conhecimento, podem fornecer uma forma de conseguir esta transmissão de dados, permitindo que a informação sobre sustentabilidade seja partilhada sem revelar dados confidenciais do produto. Isto permitirá aos fabricantes partilhar selectivamente a informação ao longo da cadeia de fornecimento sem necessidade de armazenar dados ou comprometer a segurança dos dados.

 

Os protocolos de conhecimento zero podem fornecer uma forma de alcançar a transmissão de dados,
permitindo a partilha de informação de sustentabilidade sem revelar dados confidenciais do produto.

 

Passaportes digitais, uma forma de combater a lavagem verde e o desperdício têxtil

A informação contida nos passaportes digitais será crucial para combater a lavagem verde, uma vez que obrigará as empresas a revelar se os seus produtos são verdadeiramente seguros, fáceis de manter e recicláveis, bem como se as suas actividades estão verdadeiramente alinhadas com a protecção ambiental.

Além disso, este passaporte pode ajudar a eliminar os resíduos têxteis, uma vez que as grandes empresas que manuseiam produtos excedentários serão obrigadas a revelar as quantidades rejeitadas por ano, o motivo da rejeição, e a quantidade de resíduos que entregaram para reutilização, utilização, reciclagem, reciclagem, recuperação de energia e actividades de eliminação de acordo com a hierarquia de resíduos. Além disso, terão de assegurar que esta informação esteja disponível, quer num sítio web público, quer por outros meios.

Em conclusão, os passaportes digitais são uma boa medida para reduzir o impacto ambiental da produção de novos produtos, bem como para aumentar a reciclagem e a circularidade dos têxteis.

Se quiser lançar a sua próxima colecção de uma forma circular e de acordo com as normas europeias de sustentabilidade, pode encontrar no nosso catálogo tecidos que contribuem para reduzir os resíduos têxteis e o impacto ambiental da moda. Também pode tentar vender os seus restos de tecidos, talvez alguém os esteja a procurar!

Não se esqueça de se juntar à nossa newsletter para se manter actualizado sobre novas entradas de tecido - receberá 10% de desconto na sua primeira encomenda apenas por subscrever.

Main Menu